GRU-111

Ações enquadradas em suas arquiteturas. Atividades emolduradas pelos materiais. Locais familiares ao nosso imaginário reafirmando valores ligados à eficiência, à segurança, ao status e aos bons serviços. Aeroportos são o objeto e ambiente dessas fotografias que, em sua assepsia e sistematicidade, são compreendidos como dispositivos de invisibilidade. Locais onde os usuários e as relações de trabalho dos funcionários se dão como parte de um teatro minuciosamente regulado afim de realizar operações definidas. GRU-111 refere-se ao aeroporto de Guarulhos e, em particular, aos 111 trabalhadores que, durante a construção do terminal 03, foram identificados em condições de trabalho análogas a escrava.  E, também, ao projeto “Contracartografias” desenvolvido pelo  NEC USP em parceria com a Escola da Cidade, tendo como origem Termo de Ajustamento de Conduta, TAC, designado como punição à empresa responsável por tal atividade. O ensaio aqui apresentado é parte desse projeto e continua aberto a incorporação de novas imagens.

003_LB_GRU-0655
010_LB_GRU-2363
015_LB_GRU-9127
013_LB_GRU-8772
018_LB_GRU-3528
016_LB_GRU-5422
020_LB_GRU--3
019_LB_GRU-
008_LB_GRU-5431
027_LB_GRU-5469
025_LB_GRU-9316
036_LB_GRU-3636

© 2017  Luciano Bernadino Costa. Por Igor Gimenes